traplev
sobre
contato
textos
recibo
Pesquisa realizada como desdobramento e extensão das almofadas, onde crio uma linha do tempo da História do Brasil, partindo do programa de Anísio Teixeira para a Educação Democrática e a alfabetização crítica de Paulo Freire, passando por diversos contextos sociais dos anos de 1960 aos dias de hoje para evidenciar um processo histórico ainda a ser compreendido e assimilado.

Além de evidenciar os projetos de Anísio Teixeira o vídeo-slide também promove a campanha para reconhecimento de sua morte pelo Estado que conforme extensa pesquisa se comprovou com diversos indícios que Anísio foi assassinado pelo Exército da Aeronáutica em 1971.

vídeo/slide 23', pesquisa Traplev, edição Amílcar Packer, 2018/2019.
Como desdobramento das Almofadas Pedagógicas foi criada a oficina que reúne os conteúdos das almofadas entre outros pontos, tendo como princípio o projeto de Educação Democrática de Anísio Teixeira e de uma alfabetização e conscientização crítica da pedagogia de Paulo Freire que tiveram seus primeiros ecos nos grupos de alfabetização do Movimento de Cultura Popular MCP, de Recife de 1961/63.

Neste contexto, cria-se então o Programa de Re-alfabetização Política para facilitar a mediação na ampla difusão e sensibilização dos princípios de referência ideológica para o bem estar social (pela utopia popular) que o programa conclama.

As oficinas, workshops e ativações acontecem independentemente da exposição das almofadas, podendo também ser aplicada e utilizadas confirme cada ocasião.
Turma da Oficina no Instituto de Arquitetos do Brasil de Pernambuco em Recife, novembro de 2018.
Almofada pedagógica é um dispositivo de difusão de conhecimento e funciona como um índice (em processo) de referências históricas e contemporâneas de movimentos,personagens, causas e fatos históricos de lutas de resistência por direitos no Brasil, para ser aplicado em centros de formação popular.

Idealizado e proposto pelo artista Traplev no final de 2016 e início de 2017 como reação à quebra institucional que ocorreu no país com o Impeachment em 2016, e com referência direta ao método Paulo Freire de alfabetização de 1961, as almofadas foram produzidas pensando na difusão de conhecimento e de narrativas facilitando o acesso à esses conteúdos num gesto de re-alfabetização crítica política urgente.

A primeira exposição surgiu com uma coleção inicial de 17 almofadas e foram mostradas na individual do artista na Galeria Sé em São Paulo em 2017, desde então vêm participando de diversas exposições de arte pelo país e outras ações educativas em centros sociais e outros lugares. Hoje o programa soma mais de 50 almofadas/conteúdos em um processo permanente de pesquisa e produção.

Nesse contexto social e político do país, o artista começou a reunir uma série de movimentos, fatos históricos, personagens e ações no campo da cultura que evidenciam manifestações e programas em prol do contextos de luta e conscientização de justiça social no Brasil. A proposta é re-potencializar o contexto histórico brasileiro e evidenciar uma narrativa afirmativa da política através dessa ferramenta pedagógica das almofadas.

Com isto a pesquisa foi se aprofundando e se estendendo para um processo de formação crítica trazendo à tona personagens históricos e contemporâneos não só de movimentos políticos, mas de ações artísticas e manifestações estéticas em vários âmbitos de luta e resistência.

Almofadas Pedagógicas

programa de
re-alfabetização
política

2017
em processo.
Ações de formação continuada com as almofadas*:

Lanchonete Lanchonete,
Escola Por Vir de Thelma Vilas Boas
Cais do Valongo, Rio de Janeiro, desde 2018*.
Um conjunto de 15 almofadas foi doado ao projeto que Thelma coordena de formação continuada na região da praça da harmonia no cais do valongo Rio de Janeiro, onde as atividades da Lanchonete Lanchonete acontecem.

A doação foi possível pela participação do artista na exposição Arte, Democracia e Utopia no Museu de Arte do Rio, 2018-2019.
Sobre Lanchonete Lanchonete cliqe aqui
Durante os últimos quatro anos de atividades do Programa (2017/2020), as Almofadas Pedagógicas já foram apresentadas em 9 exposições entre elas: 2020: A educação pela pedra, curadoria Moacir dos Anjos, FUNDAJ, Recife, O que não é floresta é prisão política, Ocupação 9 de julho, São Paulo, 2019: Meta-Arquivo, curadoria Ana Pato, Sesc Belenzinho, São Paulo, Como ativar os estilhaços da história pela linguagem, Galeria Periscópio arte Contemporânea, curadoria Germano Dusha, Belo Horizonte, 2018: Arte, Democracia e Utopia curadoria Moacir dos Anjos, Museu de Arte do Rio, RJ, MitoMotim curadoria Júlia Rebouças, Galpão Videobrasil, SP, 2017: Bandeiras da Revolução curadoria Moacir dos Anjos, Fundaj Recife; individual do artista na Sé Galeria, SP e na galeria da Funarte Fayga Ostrower em Brasília,

Além da participação destas exposições, há um conjunto de almofadas sendo ativadas permanentemente em outros 4 lugares: Lanchonete <> Lanchonete, no RIo de Janeiro, Casa do Povo, São Paulo, grupo de alfabetização CIEJA em Perus, SP e no MTST Nova Palestina Jardim Ângela, São Paulo. A proposta é ampliar o número de lugares de ativação permanente e estamos trabalhando constantemente nesses diálogos.

Como desdobramento da pesquisa para as almofadas, o artista começou a ministrar uma oficina e workshops criando um diálogo direto com os interessados.

Até o momento (2017-2020) já aconteceram 5 oficinas também independentes de exposições nos seguintes locais: IAB-PE, Fundaj, ambas em Recife, PE, Cesmar, Caçador, SC, Escola do Olhar, Museu de Arte do RIO (MAR), RJ, Sesc Centro de Pesquisa e Formação em São Paulo, SP e 1 workshop no grupo de alfabetização do MTST, Jardim Ângela, São Paulo.
Para o projeto no Museu de Arte do Rio (MAR) na exposição Arte, Democracia e Utopia (set. 2018 / maio 2019), com curadoria de Moacir dos Anjos, desenvolvi junto com o artista Daniel Acosta, que desenhou o mobiliário, "Anti-Monumento para Anísio Teixeira", uma espécie de playground para disponibilização das almofadas que complementa o programa de re-alfabetização política dando sequência aos mobiliários criados desde a primeira exposição na Sé uma bancada trapézio, e em Brasília, ambas em 2017, onde utilizamos uma arquibancada como ítem da instalação para as almofadas, naquele momento.







As almofadas se propõe a ser uma ferramenta pedagógica para auxiliar na formação educativa e de conscientização política, nesse contexto, o processo de formação com as almofadas pedagógicas é de médio a longo prazo, cada almofada tem duas faces, uma imagem de um lado e um texto didático sobre o conteúdo, do outro.

O programa prevê a liberdade de seu uso, além de ser um objeto espontâneo, elas podem estar, tanto em espaços de recepção e estar, como também ativadas em ações específicas a partir dos temas registrados, e outras extensões para provocar a discussão e reflexão.

A intenção é ampliar o número de almofadas/movimentos, assim como mapear lugares de formação social e popular pelo país para as almofadas serem distribuídas e aplicadas num processo de formação continuada.
Anti-Monumento para Anísio Teixeira
Almofadas: ferramenta
didática de formação continuada
Ações de formação continuada com as almofadas*:

Grupos de alfabetização CIEJA Perus, SP e MTST Ocupação Nova Palestina, ambas acompanhadas pela educadora Ana Paula Batista, desde 2019*.
Ações de formação continuada
com as almofadas*:

Casa do Povo, São Paulo,
desde 2019*.
Ações de extensão e formação continuada com as almofadas:
(oficinas e ativações)
Sobre as almofadas pedagógicas na
Casa do Povo cliqe aqui
Ações de formação continuada
com as almofadas*:

Exposição
O que não é floresta é
prisão política,
Galeria Reocupa, MSTC,
São Paulo, setembro 2019
à março 2020*.
Felipe Figueiredo, morador da ocupação e mediador da exposição em momento de apresentação das obras para o público visitante, 2019. Ao fundo se vê as obras de Lívia Aquino (Canalhas), Jarbas Lopes ao alto, bandeira que Cuquinha performou em diversos locais do país durante a prisão de Lula, e um conjunto de almofadas pedagógicas.
Vistas das almofadas pedagógicas na exposição junto com outras obras (foto Ding Musa).
Clique na imagem para acessar o Dossiê do Programa de Re-alfabetização Política Urgente
Vistas com o vídeo-slide e o mobiliário anti-monumento com as almofadas pedagógicas na exposição
Arte, Democracia e Utopia, no Museu de Arte do Rio, curadoria Moacir dos Anjos, RJ, fotos de Ana Pato.
4 anos
9 exposições
4 espaços de ativação permanente
5 oficinas
1 workshop
< voltar
vídeo/slide:

princípios de referência ideológica do bem
estar social